Mercado Editorial 2019 – Visão mais ampla

Carlos Garcia Fernandes

Use os links para navegar entre os tópicos:

  1. Visão mais ampla
  2. Expansão e queda do mercado editorial
  3. Ele vai sobreviver doutor?
  4. Contato com o público
  5. Descentralize seu cérebro
  6. Novos recursos
  7. Redes sociais
  8. Financiamento coletivo
  9. Utilidade?
  10. Atualização do sistema editorial

01. Visão mais ampla

Utilizando termos mais simples eu diria agora, no começo de 2019, que os setores que estudam a internet, avisaram que as grandes organizações iriam se desmontar, por causa dos impactos sociais e nos meios de produção que a internet promoveria na sociedade.

Quando uso o termo “desmontar”, entenda-se uma modificação obrigatória em como as coisas são fabricadas/produzidas e a percepção do público sobre as empresas. Algumas empresas não conseguiram se modificar e fecharam, outras se adaptaram.

Um impacto observável nos meios de produção é a dependência tecnológica conectada, ou seja, não é somente a existência da energia elétrica nas máquinas, mas também a conexão com a internet que faz a comunicação instantânea produzir, por exemplo, notícias ao vivo.

Os impactos aconteceram e esse aviso foi dado não só há 20 anos atrás, mas foi incessantemente discutido ao longo desses 20 anos. Pois com essa nova dinâmica, como faríamos a publicidade? O setor de publicidade, propaganda e marketing se modificou também.

Surgiram especializações como “Produção Editorial Multimídia”, pois os agora chamados “produtos editoriais” devem apresentar outras dinâmicas para se adequar ao novo mercado.

O transformação da Gazeta do povo, a venda da Editora Abril, o praticamente fechamento da Fnac, Saraiva, Cultura, Companhia das Letras e outras em 2018, já eram fatos previstos nesses 20 anos.

Então não foi culpa da crise, da economia, do governo ou um partido político específico.

Algumas montadoras de veículos ouviram e atualmente não são mais só veículos, são empresas de “soluções em mobilidade”, com abrangências incríveis.

A Gazeta do Povo ouviu, desmontou a parte impressa e se concentrou no site com sistema de assinaturas.

Jornais internacionais ouviram e mandaram embora todos os fotógrafos, e os jornalistas foram treinados para fazer fotos, escrever a o artigo e mandar tudo pela internet do meio da rua para a redação.

Hoje, jornalistas estão entrando ao vivo sem o câmera, estão usando o celular conectado.

Outro fato observável é que não é fácil se modificar, isso depende de uma estrutura mais flexível de organização empresarial onde os setores devem ter uma determinada independência. Mas o método antigo ainda é o mais utilizado, onde todos seguem rigorosamente as mesmas regras, determinando o fim da empresa, mesmo que alguns setores apresentem aspectos que poderiam transformar um setor, em uma nova pequena empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *